Você está aqui: Entrada / Catálogo / ARMANDINHO -" O GÉNIO DA GUITARRA" - 1926 a 1946

ARMANDINHO -" O GÉNIO DA GUITARRA" - 1926 a 1946

Amostras

  • 01.FADO EM LÁ MAIOR.mp3
  • 02.FADO PENICHE.mp3
  • 03.FADO ALEXANDRINO.mp3
  • 04.FADO ARMANDINHO.mp3
  • 05.FADO ESTORIL.mp3
  • 06.FADO EM MI MENOR.mp3
  • 07.FADO MAGIOLI.mp3
  • 08.FADO CONDE DE ANADIA.mp3
  • 09.FADO BACALHAU.mp3
  • 10.MARCHA EM RÉ MAIOR.mp3
  • 11.MARCHA EM RÉ MENOR.mp3
  • 12.FADO FERNANDINHA.mp3
  • 13.VARIAÇÕES EM LÁ MENOR.mp3
  • 14.VARIAÇÕES EM MI MENOR.mp3
  • 15.FADO DE SINTRA.mp3
  • 16.VARIAÇÕES EM LÁ MAIOR.mp3
  • 17.VARIAÇÕES EM RÉ MAIOR.mp3
  • 18.FADO DAS BERLENGAS.mp3
  • 19 FADO FONTALVO.mp3
  • 20.OLHOS BONITOS.mp3
  • 21.CIGANITA.mp3
  • 22.FADO DO CIÚME.mp3
  • 23.O ALENTEJANO.mp3

ARQUIVOS DO FADO

gravações digitalizadas de discos de 78 rotações (alguns da colecção de José Moças)

A guitarra pertence exclusivamente à cultura portuguesa e a sua execução virtuosa tem sido, desde há muito, uma das facetas mais apreciadas da música lusitana. Embora seja frequentemente, e corretamente, associada ao Fado, não é, no entanto, sua propriedade exclusiva. A tradição de Coimbra alimentou muitas “fantasias” instrumentais baseadas em danças folclóricas rurais, e tanto artistas de Coimbra, como de Lisboa, utilizaram as variações flexíveis que parecem não ter fim, nos modos maior e menor, como um meio de exibir a sua capacidade de improvisação. A condição de guitarrista, quase sempre homem, na música tradicional portuguesa, reveste-se de uma certa complexidade. Exige-se que ele mantenha a tradição, mas, ao mesmo tempo, que seja inovador; tem que insuflar vida nova a temas antigos; tem que compor e improvisar; tem que ser capaz de acompanhar uma vasta gama de estilos vocais; tem que captar cada “nuance” do Fado, mas não pode ficar limitado a ela; tem que ser mais do que um técnico competente. Acima de tudo, tem que dar expressão a essa emoção profunda que, em português, se chama “saudade”.

ARMANDINHO -" O GÉNIO DA GUITARRA" - 1926 a 1946

12,50 €

ARMANDINHO-O GÉNIO DA GUITARRA em mp3

7,50 €

A primeira vez que Armandinho apareceu em gravação remonta a Agosto de 1926, quando a Columbia lançou três discos seus, de 78 rotações, onde figurava o seu nome verdadeiro – Armando Augusto Salgado Freire, nascido em Lisboa, no Pátio do Quintalinho, perto da Rua das Escolas Gerais, em Alfama, a 11 de Outubro de 1891.

A maior parte das gravações de 1928 foi editada ao longo de 1929, através da etiqueta exclusiva do Grande Bazar “EQ”, série HMV (5). As três primeiras edições (152, 153 e 166) apareceram em catálogo em Janeiro, um outro registo (189) apareceu em Fevereiro e um outro em cada um dos suplementos de Março e Abril (197 e 204). O suplemento de Junho trouxe o EQ217, e os EQ222 e EQ228 apareceram no mês seguinte, deixando para trás dois títulos não editados da primeira sessão. Em Setembro de 1929, com honorários que totalizaram novecentos e cinquenta escudos, os dois músicos gravaram mais cinco faces, e dessa sessão saiu, num “tour de force”, “Olhos Bonitos” (248), mesmo a tempo do Natal de 1929.