Você está aqui: Entrada / Catálogo / ALBERTO ESTIMA DE OLIVEIRA

ALBERTO ESTIMA DE OLIVEIRA

Amostras

  • 01 CHEGÁMOS NUMA ALTURA DIFÍCIL.mp3
  • 02 MOMENTO PRECISO.mp3
  • 03 COM DEDOS CHARRUA.mp3
  • 04 DECANTO AS PALAVRAS.mp3
  • 05 LINHA DE ÁGUA.mp3
  • 06 DA NOITE REDUZIU O QUE A TARDE TRAZIA.mp3
  • 07 SINTO DENTRO DE MIM.mp3
  • 08 E O DISPARO SURGE NA NOITE BRANCA.mp3
  • 09 CHORO PORQUE TE VEJO IR.mp3
  • 10 TENHO DO GUME O FIO DA DISTÂNCIA.mp3
  • 11 ACERCAM-SE DE MIM ESSAS VOZES.mp3
  • 12 A FORÇA VEM DO SUL.mp3
  • 13 SE NO SEGUNDO EXACTO.mp3
  • 14 ESTOU DEMASIADO POR AÍ.mp3
  • 15 PORQUE ME DESFAÇO NESTA ONDA.mp3
  • 16 AO PRINCÍPIO É A NÉVOA.mp3
  • 17 SER RAZÃO ENTRE QUATRO DESENHOS.mp3
  • 18 UMA PASSAGEM LARGA ENTRE MONTANHAS.mp3
  • 19 O GRITO VEM FUNDO.mp3
  • 20 EM CADA HORIZONTE UM SINAL.mp3
  • 21 AO DESPERTAR.mp3
  • 22 COMO SE NO DESERTO.mp3
  • 23 SE PORVENTURA A ANSIEDADE FOSSE.mp3
  • 24 SOBERBA A NOITE E ALUA.mp3
  • 25 SE NA VONTADE SÚBITA DA NOITE.mp3
  • 26 NAVEGAVA-SE NA ARROGÂNCIA DAS DIFERENÇAS.mp3
  • 27 O INÍCIO DO DIÁLOGO.mp3
  • 28 É NA DIÁFANA DOBRA.mp3

DIÁLOGOS DO SILÊNCIO

POESIA E IMPROVISOS DE VIOLINO

Poucos poetas, no presente, nos colocam tão de frente para os ziguezagues da vida como Estima de Oliveira. Pesquisador-lapidador da lusa palavra poética, o Alberto ainda tem mais: traz consigo os tambores, os ecos, os movimentos corporais oralizados de vulcões ou de riachos, de vidas e de mortes. A esta poesia se juntaram a expressiva intervenção de Hélder Fernando, que declamou, e de Carlos Damas que utilizou o seu violino como poucos o saberiam fazer. 
 Além dos poemas de Alberto Estima de Oliveira, participaram Helder Fernando como declamador e Carlos Damas com os seus improvisos no violino. Este disco contém um livreto de 44 páginas.

ALBERTO ESTIMA DE OLIVEIRA em MP3

5,00 €

Estima de Oliveira possui e preserva a noção singular dum tempo, que a sua poesia manda ser continuo e perpétuo, lógico e ilógico, de raciocínio matemático ou de inegável fluidez.

É isto que sentimos na leitura da sua poesia. Foi isto que sentimos quando apareceu a hipótese de registar em disco uma pequena parte da sua obra.

Duas ou três longas noites passadas em estúdio até bebermos a manhã, representam das mais férteis experiências que vivemos. E dos mais nobres prazeres que a vida deu a algumas pessoas.

Exigente que o Alberto era, nunca problematizou qualquer nuance fruto da interpretação dos seus poemas pelos intervenientes. Como autor, em estúdio, jamais hierarquizou posições. Trabalhou-se sempre em pé de igualdade; o poeta, o intérprete das palavras, a criatividade do músico, e engenho dos técnicos de som. Até mesmo os criativos que conceberam esta capa e este livreto.

Acreditamos que este disco tenha sido um atalho para se chegar ao fantástico legado poético de Alberto Estima de Oliveira (1934-2008).