Você está aqui: Entrada / Catálogo / A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

Amostras

  • 01 Zonelar Boisun (Mandó).mp3
  • 02 Dekhnni - Natch.mp3
  • 03 Kunnbi - Fugddi Natch.mp3
  • 04 Sam Francisku Xaviera.mp3
  • 05 Goa.mp3
  • 06 Hanv Saiba Peltoddi Vetam (Dekhnni).mp3
  • 07 Dove Rozericho Kollo (Mandó).mp3
  • 08 Nustekaram.mp3
  • 09 Marcha das Fontainhas.mp3
  • 10.Motim´ Sopnantum.mp3
  • 11 Borieche Tari (Dekhnni).mp3
  • 12 Adeus Korcho Vellu Paulo.mp3

COLEÇÃO DO PAVILHÃO DE PORTUGAL DA EXPO98

Edição de luxo em digipak com livreto trilingue (português, ingles e Konkani) de 122 páginas a cores.

A música e a dança em Goa traduzem bem a pluralidade de expressões e de processos acima descritos. A sua prática está também associada à casta, isto é, cada casta é detentora de um repertório próprio, sendo que hindus e católicos estabelecem uma distinção clara relativamente ao tipo de música que desempenham. Comum aos dois grupos é a existência de dois registos: um a que chamaremos de tradição erudita e outro de tradição popular. No primeiro caso, observa-se, por um lado, a presença bem definida e demarcada da música industânica - associada ao norte da Índia - desempenhada por hindus e muçulmanos, e, por outro, da música erudita ocidental, vinculada fundamentalmente ao contexto católico. No segundo caso é possível definir uma nova categoria que resulta exactamente do cruzamento e do encontro entre aspectos e representações da música ocidental e da música indiana. É aqui que se configura um conjunto de géneros expressivos, cantados e dançados, e desempenhados, na maioria dos casos, por católicos.

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

15,00 €

A VIAGEM DOS SONS - GOA em MP3

5,00 €

As canções reunidas neste CD constituem um excelente exemplo dos múltiplos processos musicais que nos permitem hoje definir a categoria «música goesa» e o contexto da «música em Goa». O mando e o dulpod (nº1, 7, 10, 12) definem a forma mais elaborada de canto harmónico não religioso e representam o repertório por excelência dos brâmanes e dos chardós católicos. O mando conta-nos, delicadamente, histórias de amor e de saudade, com uma dolência profundo que contrasta com a alegria e a jocosidade do dulpod. Este, revela-nos outras histórias: as do quotidiano; fala-nos da brincadeira, do rumor, da curiosidade e dos aspectos mais comuns que

caracterizam ambiências e vivências de Goa. A presença do dulpod após o mando prende-se com a dança, ou seja, estas duas canções podem igualmente ser dançadas, aspecto que era quase obrigatório na boda de casamento dos católicos até à década de 60. O dekhnni (nº 2, 6 e 11), constitui o melhor exemplo de intercepção entre a realidade hindu e a católica. É um género cantado e dançado inicialmente pelas «bailadeiras» (nome atribuído pelos portugueses às mulheres devadassi) e foi proibido pela igreja católica que reprovava também a presença das suas protagonistas em qualquer festividade hindu. O dekhnni resistiu, todavia, a todas as proibições e é hoje cantado e dançado por católicos. Apropriou a harmonia tonal e

transformou a sua interpretação de acordo com os referentes musicais dos novos intérpretes. Uma apreciação mais cuidada definirá o dekhnni contemporâneo como uma canção feita por católicos sobre um aspecto da realidade hindu, outrora tão reprovado socialmente mas, também por isso, tão sedutor. Alguns ingredientes musicais mas sobretudo a dança perscrutam esse outro lado de Goa, que o aproxima da Índia através da exuberância dos trajes e adornos e da sensualidade que o corpo nela exibe.

A proposta que o grupo Gavana nos oferece neste disco aglutina, de algum modo, os diferentes processos que poderão definir o contexto da música em Goa. Indicia, por um lado, uma vivência musical intensa ao re-interpretar danças e canções que, na sua maioria, fazem parte do repertório familiar dos elementos do grupo; ao conferir, por outro, a esse mesmo repertório uma organização instrumental e vocal mais sofisticada, dá-nos conta de uma realidade recente em Goa, definida pela formação de grupos vocacionados para a representação em palco;  finalmente, ao incluir neste disco uma composição nova (nº5), da autoria do seu director musical, exprime também o conceito singular que os próprios goeses têm de música tradicional: não se

confina exclusivamente ao repertório do passado mas procura renovar-se, reconhecendo nos compositores contemporâneos a mesma autoridade para construir a tradição.

A edição do primeiro CD de música goesa gravado na Índia, marca um longo percurso construído à conta de emoções, de desafios, mas também de alguma intranquilidade. Este document permite, efectivamente, o acesso ao som, às palavras e às vozes, mas oculta toda a component cénica, coreográfica, gestual e contextual que definem a música e que constituem ingredients cruciais para identificar a «música goesa». Assim, independentemente do valor insubstituível do CD e destas gravações, não deixamos de estar perante uma leitura redutora do comportamento expressivo a que chamamos música, embora, a outro nível, este mesmo documento se mostre

surpreendentemente revelador: desvenda-nos o fascínio da viagem e testemunha a possibilidade que a música tem de acompanhar as pessoas e de sobreviver a elas. Goa oferece-nos de facto um magnífico exemplo dessas viagens seculares e da adopção e adaptação de códigos musicais que mantiveram a vitalidade suficiente para serem hoje autónomos e permanecerem em constante recriação.

Mais discos (tradicional)

A BRAGUESA DE CHICO GOUVEIA

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

A VIAGEM DOS SONS – BRASIL - O CAVALO MARINHO DA PARAÍBA

A VIAGEM DOS SONS – CABO VERDE – DEZ GRANZI DI TERA

A VIAGEM DOS SONS – DAMÃO, DIU, COCHIM, KORLAI – DESTA BARRA FORA

A VIAGEM DOS SONS – MACAU – FALA-VAI-FALA-VEM

A VIAGEM DOS SONS – MALACA – KANTIGA DI PADRI SA CHANG

A VIAGEM DOS SONS – MOÇAMBIQUE – MAKAYELA

A VIAGEM DOS SONS – S. TOMÉ – TCHILOLI

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – BAILA CEILÃO CAFRINHA

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – CANTIGAS DO CEILÃO

A VIAGEM DOS SONS – SUMATRA – KRONCONG MORITSKO

A VIAGEM DOS SONS – TIMOR – TATA HATEKE BA DOK

A VIOLA CAMPANIÇA CD 1

A VIOLA CAMPANIÇA CD 2

ALEMTEJO - UM SÉCULO DE SOM

ALGARVE

AS TRADIÇÕES PORTUGUESAS EM FRANÇA

AS TUNAS DO MARÃO CD 1

AS TUNAS DO MARÃO CD 2

AS TUNAS DO MARÃO CD 3

AS TUNAS DO MARÃO CD 4

AT-TAMBUR

AUTO DA FONTE DOS AMORES

BRAGA NA TRADIÇÃO MUSICAL

CANCIONEIRO DO CANTE ALENTEJANO

CANTIGAS DE MAREAR – CORAL DINAMENE

CONJUNTO JOÃO DOMINGOS - AO VIVO EM MACAU

DANÇAS POPULARES DO CORPUS CHRISTI DE PENAFIEL

DANIEL PEREIRA - CAVAQUINHO CANTADO

DECANTADO

EKVAT – GOEAN PAUTOCH

FILHOS DE TIMOR LESTE

GOA - MACAU - TIMOR

GRUPO CORAL DE PORTIMÃO

GRUPO FOLCLÓRICO DA CASA DO POVO DE MARTIM

GRUPO FOLCLÓRICO DE VILA VERDE - CD

INFLUÊNCIAS

ISABEL SILVESTRE

JOAQUIM ROQUE

MACAU

MAIO MOÇO

MANUEL DIAS NUNES

MEUS OLHOS VAN PER LO MAR – CORAL DINAMENE

MICHEL GIACOMETTI - O LADRÃO DO SADO

MICHEL GIACOMETTI - UMA LONGA MILITÂNCIA

NOVAS VOS TRAGO

O BAILE DA CAMACHA – A ORIGEM E A HISTÓRIA

O Cavaquinho do Amadeu

RAÍZES

RAÍZES MUSICAIS DE VINHAIS

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 1

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 2

TRADIÇOES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 3

TUNA MACAENSE

VOZES E RITMOS DO ORIENTE