Você está aqui: Entrada / Catálogo / A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – BAILA CEILÃO CAFRINHA

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – BAILA CEILÃO CAFRINHA

Amostras

  • 01 Cafrinha, Instrumental.mp3
  • 02 Cafrinha, Instrumental.mp3
  • 03 Lanças Cafres.mp3
  • 04 Lanças Cafres.mp3
  • 06 Quadrilha Cafre.mp3
  • 07 Baila a Quadrilha Cafre.mp3
  • 08 Trincomalee Lanáas.mp3
  • 09 Trincomalee Lanáas.mp3
  • 10 Festa de Casamento em Batticalo.mp3
  • 11 Cantigas.mp3
  • 12 Cafres de Puttalam.mp3
  • 13 Cafres de Puttalam.mp3
  • 14 Cafres de Puttalam.mp3

COLEÇÃO DO PAVILHÃO DE PORTUGAL DA EXPO98

Edição de luxo em digipak com livreto trilingue (português, ingles e crioulo) de 46 páginas a cores.

Os Burghers ou “Mecânicos” Portugueses Os descendentes miscigenados dos portugueses começaram a ser conhecidos pelo termo «Burghers» durante o período holandês, mas já nesse tempo eram considerados racial e economicamente inferiores e apelidados popularmente de «mecânicos» ou “micos”. Falavam o crioulo português que se espalhou pela ilha, a partir das comunidades de mestiços africanos e euro-asiáticos que serviam nas fortalezas em começos do século XVII. A pobreza e o isolamento dos Burghers, parecia aumentar neles o desejo de se identificarem com as tradições «portuguesas» e o orgulho de falarem e cantarem em «português». O linguista inglês Ian Smith residiu em Batticaloa em 1973-74 entre os Burghers portugueses da costa oriental enquanto trabalhava na sua pesquisa para o livro Sri Lanka Creole Portuguese Phonology, no qual cita estatísticas indicando que em 1971, 2,255 Burghers viviam no Distrito de Batticaloa e 1,676 na vila de Batticaloa.

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – BAILA CEILÃO CAFRINHA

15,00 €

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA (BCC) em MP3

5,00 €

Os cafres, conhecidos em cingalês como kapiri ou kapili, chegaram inicialmente ao Sri Lanka com os portugueses, provavelmente nas décadas de 1620 e 1630, e são talvez os topazes, trazidos de Goa, a que se referem os documentos portugueses do estabelecimento dos fortes em Batticaloa e Trincomalee. Durante o período holandês, os cafres casaram-se livremente com os descendentes de portugueses da ilha. No século XVIII os holandeses organizavam-nos para trabalhar, ou como escravos, ou como milícias. Uma vez que o termo holandês Burgher também se aplicava a qualquer pessoa de sangue misto europeu, os portugueses normalmente pertenciam a esta categoria que ainda é usada nos recenseamentos governamentais. Em contraste com os Burghers holandeses, que fundaram uma União Civil Holandesa exclusiva em 1907, os portugueses de classe baixa, ainda em 1975, eram apelidados de «micoburghers, » dando continuidade à tradição de referenciar os seus talentos «mecânicos» nas ocupações artesanais.

A influência da música das comunidades portuguesas no Ceilão é tratada por C.M.Fernando em The Music of Ceylon. O cancioneiro «Kaffrein-Neger Song Portugeise” chama a atenção para a contribuição dos cafres da Africa oriental no folclore crioulo e na cultura portuguesa presente no Sri Lanka. Qualquer que seja o termo usado, kafferinhoe, kaferingha, kaffiringha, cafferina, etc., essa música ritmada, cujos versos transcritos vieram à luz em 1870-80, ainda se pode ouvir no Sri Lanka, um século depois, embora a sua prática se torne cada vez mais rara, próxima da extinção. A gravação da música dos cafres de Putalão representa o único caso que ainda se conhece no Ceilão e, sem dúvida, o último exemplo possível da música afro-cingalesa. Na cultura popular, o ritmo e a melodia da cafrinha tradicional foram adaptados e incorporados na música popular cingalesa, hoje conhecida genericamente como baila. Como resultado do sincretismo cultural recente, a baila de origem portuguesa começa a ser conhecida como uma dança de rua tamil, à medida que o passado vai esmorecendo e a cultura portuguesa é ainda mais assimilada. Mesmo assim, a cafrinha ainda é associada à reputação decadente das festividades dos Burghers portugueses, representada na capa de um álbum popular recente através de um desenho de pessoas mal vestidas, garrafas de aguardente, jogo, dança e a presença de mulheres.

Mais discos (tradicional)

A BRAGUESA DE CHICO GOUVEIA

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

A VIAGEM DOS SONS – BRASIL - O CAVALO MARINHO DA PARAÍBA

A VIAGEM DOS SONS – CABO VERDE – DEZ GRANZI DI TERA

A VIAGEM DOS SONS – DAMÃO, DIU, COCHIM, KORLAI – DESTA BARRA FORA

A VIAGEM DOS SONS – MACAU – FALA-VAI-FALA-VEM

A VIAGEM DOS SONS – MALACA – KANTIGA DI PADRI SA CHANG

A VIAGEM DOS SONS – MOÇAMBIQUE – MAKAYELA

A VIAGEM DOS SONS – S. TOMÉ – TCHILOLI

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – BAILA CEILÃO CAFRINHA

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – CANTIGAS DO CEILÃO

A VIAGEM DOS SONS – SUMATRA – KRONCONG MORITSKO

A VIAGEM DOS SONS – TIMOR – TATA HATEKE BA DOK

A VIOLA CAMPANIÇA CD 1

A VIOLA CAMPANIÇA CD 2

ALEMTEJO - UM SÉCULO DE SOM

ALGARVE

AS TRADIÇÕES PORTUGUESAS EM FRANÇA

AS TUNAS DO MARÃO CD 1

AS TUNAS DO MARÃO CD 2

AS TUNAS DO MARÃO CD 3

AS TUNAS DO MARÃO CD 4

AT-TAMBUR

AUTO DA FONTE DOS AMORES

BRAGA NA TRADIÇÃO MUSICAL

CANCIONEIRO DO CANTE ALENTEJANO

CANTIGAS DE MAREAR – CORAL DINAMENE

CONJUNTO JOÃO DOMINGOS - AO VIVO EM MACAU

DANÇAS POPULARES DO CORPUS CHRISTI DE PENAFIEL

DANIEL PEREIRA - CAVAQUINHO CANTADO

DECANTADO

EKVAT – GOEAN PAUTOCH

FILHOS DE TIMOR LESTE

GOA - MACAU - TIMOR

GRUPO CORAL DE PORTIMÃO

GRUPO FOLCLÓRICO DA CASA DO POVO DE MARTIM

GRUPO FOLCLÓRICO DE VILA VERDE - CD

INFLUÊNCIAS

ISABEL SILVESTRE

JOAQUIM ROQUE

MACAU

MAIO MOÇO

MANUEL DIAS NUNES

MEUS OLHOS VAN PER LO MAR – CORAL DINAMENE

MICHEL GIACOMETTI - O LADRÃO DO SADO

MICHEL GIACOMETTI - UMA LONGA MILITÂNCIA

NOVAS VOS TRAGO

O BAILE DA CAMACHA – A ORIGEM E A HISTÓRIA

O Cavaquinho do Amadeu

RAÍZES

RAÍZES MUSICAIS DE VINHAIS

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 1

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 2

TRADIÇOES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 3

TUNA MACAENSE

VOZES E RITMOS DO ORIENTE