Você está aqui: Entrada
Foram encontrados 3 itens que satisfazem os seus critérios.
Filtrar os resultados por
Tipo de item














Itens novos desde



Ordenar por relevância · data (mais recente primeiro) · alfabeticamente
Product O POVO QUE AINDA CANTA
TIAGO PEREIRA é o realizador da série "POVO QUE AINDA CANTA". Realizador, documentarista, visualista, mentor do projecto “A música portuguesa a gostar dela própria”, vencedor do prémio Megafone 2010 na categoria "Missão”, desenvolveu um estilo único a documentar, recolher e misturar imagens em movimento. Os seus filmes remetem para manifestações de cultura imaterial como a música, rituais e performances, que exloram o conceito da tradição e o da memória colectiva. Entre os meus filmes destacam-se os premiados; "11 Burros Caem no Estômago Vazio" (2006) e "Quem Canta Seus Males Espanta" (1998) e o recente “Porque Não Sou o Giacometti Do Sec. XXI (2015). Tem em parceria com o Silvio Rosado o projecto musical Sampladélicos, onde a tradição e a tecnologia se fundem numa complexa mistura de passado, presente e futuro. É também locutor no programa de rádio na Antena 1 "O Povo Que Ainda canta”. Em 2015 foi considerado o homem do ano na categoria "Música" pela revista GQ.
Localizado em Catálogo
Promotion NL3 - Alentejo - Livro
Newsletter - Alentejo LVRALENTEJO – O Fado Operário no Alentejo (Livro com 2 CDs)
Localizado em Catálogo
Product AS BRUXAS E A ÁGUA DO CU LAVADO
Este é um conto de Literatura de Tradição Oral, recriado por Maria Eva Machado e ilustrado por Margarete Barbosa, que se conta há muitos anos em Guimarães. No entanto, podemos dizer que ele é universal porque ainda hoje continua a viajar na mala de quem parte para outros lugares, outros países. Os contos de Tradição Oral não têm autoria definida nem local de nascimento. São pertença do Povo, de todos os Povos que os vão recriando e adaptando aos lugares e ao tempo. Por isso se diz que “quem conta um conto acrescenta um ponto…”. Esta história, “As bruxas e a água do cu lavado” recupera a crença popular na magia de certas águas, e nos poderes misteriosos das bruxas (ou mulher sábia, curandeira, vidente, sibila, xara, arreganhadentes…) que século após século, continuam a fascinar grandes e pequenos. As bruxas destes contos não se assemelham, por exemplo, à bruxa da Branca de Neve. Aqui, encontramos mulheres que o povo conhecia e muitas vezes consultava porque sabia onde viviam, tinham nome e eram reais… Diz o Povo que na Rua de S. Dâmaso viviam três mulheres que eram bruxas e que, além de outros poderes, conheciam uma poção mágica fortíssima capaz de provocar uma grande paixão a quem a ingerisse. Essa poção era feita com água do cu lavado. Como estas bruxas gostavam de um homem, que por ali andava, resolveram colocar a poção mágica no pão e convidá-lo para jantar. Ele, cheio de curiosidade, aceitou. Só que as coisas nem sempre correm como se programam e, afinal, quem comeu o pão não foi o homem mas…
Localizado em Catálogo